© 2023 por Nome do Site. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Google+ Social Icon

O PROJETO

Uma das características predominantes da economia de mercado é a exclusão e a miséria. Em todos os sentidos, inclusive no acesso e na produção de arte e cultura. O teatro profissional não escapa a essa regra.

Primeiro. Sua forma predominante, quer queira, quer não queira, é a de produto, mercadoria. Obviamente, mercadoria para quem pode pagar, concorrendo com outras mercadorias ou opções (shows, CDs, casas noturnas, TV, bares, pizzaria…). Como produto artesanal que é e que só se concretiza no momento exato em que é produzido (leia-se: durante a apresentação e não apenas durante os ensaios), fugindo, portanto, à reprodução em série, já sai perdendo para a concorrência porque isso resulta em custos altos (e preços de bilheteria idem) se comparados à indústria cultural, à produção em série. Daí, em parte, o público limitado ou, em jargão mercadológico, segmentado.

Segundo. Restringe-se, salvo exceções que confirmam a regra, a circuitos centrais (pagando aluguel caro), frequentados, fundamentalmente, pelas chamadas classe média e elites. Na verdade, mais e mais, o que se encontra na platéia são amigos, colegas de profissão, estudantes ou professores de teatro. Radicalizando mais ainda, pode-se afirmar que, nos últimos 25 anos (um quarto de século, portanto), menos de 10% da produção tem público e retorno econômico.

Terceiro. A intermediação com esse público se dá, basicamente, através da mídia: é o espaço (ou falta de) e a imagem que ela cria, quase sempre mais do que o objeto artístico em si, que determinam a carreira de um espetáculo (sempre com exceções, óbvio). E o teatro não controla essa mídia.

Quarto. A falta de sede, de espaço próprio para realizar o trabalho, soma-se a esse quadro de descontinuidade, de produções intermitentes, de precariedades (ainda que, muitas vezes, a sede seja problema, não solução).

 

Para  o  Engenho,  o teatro está  confinado  a  um espaço  geográfico,

econômico, social,  cultural e  a  uma  forma de  produção-circulação

que, no mínimo, condicionam e mesmo pré-determinam o resultado

estético.  Ele se  move  nessa  cidade,  nessa  São Paulo,  que  não é a

cidade  da  maioria de seus  moradores.  Sempre  que  atuou  nesses

espaços (entre 1979 e 1993),  o  grupo  tentou  buscar  a outra  São

Paulo  e  seus  habitantes.  Mas  a  experiência  foi   sempre  pontual,

uma   apresentação    aqui,    outra    ali    um    ano   depois.    Pior:   as

condições  técnicas   eram   mais  lamentáveis   ainda   (palco,  coxias,

som, luz,  visibilidade,  acústica…),  basta ver as  Casas de Cultura da

Prefeitura  (e as tentativas do Engenho  são  anteriores à existência

dessas Casas; o CEU nem se cogitava).

De qualquer forma, as apresentações comprovavam uma coisa: a leitura de um mesmo espetáculo não era a mesma nas “duas cidades”. O que “funcionava” aqui, nem sempre “funcionava” ali e vice-versa.

Prá encurtar a conversa: levando em conta experiências históricas anteriores, o Engenho resolveu buscar público; o Engenho resolveu buscar o público ausente no centro; partir para o encontro com essa enorme cidade desconhecida; abandonar o centro e desenvolver seu trabalho ali, onde a população mora e o teatro não chega; buscar o contato direto, sem a dependência de uma mídia que ele não pode controlar. Optou por não depender de teatros, programadores e locais de ensaio fora de seu controle, com horários, temporadas e propostas definidos por terceiros. Recusou-se a criar e trabalhar para outras instituições que não o seu público e as suas convicções e identidade.

Seria possível ter público de forma consistente, contínua? Seria possível atingir esse público? E isso exigiria um outro teatro, outras linguagens impensáveis e inadequadas no circuito tradicional? Seria possível manter um espaço próprio, tecnicamente adequado, base fundamental para um trabalho consequente?

O Engenho Teatral é apenas uma resposta em permanente construção a essas questões. Não pode mudar ou resolver os problemas do teatro e do circuito tradicional. Pode, sim, vivenciar uma outra experiência, uma outra prática, um outro circuito, outro público, outra cidade, outra organização, outras linguagens, outro teatro.

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now